Thursday, January 11, 2018

Pela Revolução Permanente no Irã, Oriente Médio e Norte da África!

Solidariedade com o levante iraniano!

(1) O novo levante no Irã é de importância histórico-mundial. Isso prova que as massas estão prontas e dispostas a lutar para derrubar o capitalismo em sua agonia. Os trabalhadores iranianos e os agricultores pobres se recusam a pagar pela crise terminal do capitalismo global com as suas vidas e os seus padrões de vida. Marxistas entendem que este levante está atrasado e só pode terminar em revolução socialista ou bárbara contra-revolução. Mas não estamos sozinhos nessa perspectiva histórica. Um homem iraniano, envelhecido 111 anos, fala de ter nascido no Irã (então Pérsia) na época nos primeiros passos para a revolução burguesa que ocorreu em 1906. Ele disse “Eu sabia que esse dia chegaria, eu fiquei vivo para ele”. Ele viveu toda a época do imperialismo no Irã durante a qual seu desenvolvimento nacional foi retido pela rivalidade das grandes potências, auxiliado por seus agentes burgueses nacionais, e a traiçoeira pequeno burguesia ‘democrática’ da esquerda, na disputa pelo controle da Eurásia como chave para dominar o mundo. 

(2) Quando Lenin escreveu “O imperialismo; A fase superior do capitalismo”em 1915, o lugar do Irã no capitalismo global já era de subordinação ao imperialismo. Lenin definiu imperialismo como um sistema em que os países imperialistas opressores dominam países coloniais oprimidos. No entanto, um punhado de países eram ‘transitórios’ os quais incluiu Pérsia, China e Turquia. Ele chamou esses países de semi-colônias :

” ..países que, formalmente, politicamente eram independentes, mas que são, na verdade, enredados na rede de dependência financeira e diplomática”.
Assim como a revolução russa provou a teoria / programa da Revolução Permanente ser correta, o fez o desenvolvimento futuro do Irã. A reforma constitucional de 1906 limitou os poderes do Shah mas não conseguiu escapar da “rede de dependência financeira e diplomática” sem se libertar da rivalidade imperialista britânica, alemã e russa para o controle do petróleo persa. A revolução nacional do Irã nunca foi concluída porque ela foi presa na garra do imperialismo na I Guerra mundial que tentava a redivisão do mundo em face do levante revolucionário internacional. O tratado russo-persa de 1921 protegia a revolução soviética de incursões do exército branco ao sul, enquanto garantia os direitos de transporte no Mar Cáspio para a Pérsia. Tal foi a re-divisão do mundo que eliminou o imperialismo russo da cena, substituindo-o pelo poder da União Soviética até o acordo de Stalin com o bloco anglo-americano durante a Segunda Guerra Mundial.

(3) o Irã aproveitou a redivisão pós Segunda Guerra Mundial e a onda de descolonização, mas como a maioria das colônias ficou aquém de completar a revolução nacional democrática (burguesa). Que sucedeu apenas na China, onde os capitalistas recusaram a oferta para compartilhar o poder com o maoísta PC chinês e fugiu para Taiwan, e tardiamente em Cuba onde os EUA se recusou a compartilhar o poder forçando os castristas ir para os braços da stalinista URSS. Em 1951 a Frente Nacional de Mossadegh, comprometida com a nacionalização do petróleo, ganhou uma maioria parlamentar e derrubou o poder absoluto da monarquia constitucional, mas não conseguiu percorrer todo o caminho para derrotar a burguesia nacional numa revolução socialista. O resultado foi um populista governo burguês anti-imperialista que nacionalizou a indústria do petróleo. Contudo, para o movimento popular dos trabalhadores e agricultores pobres faltava um revolucionário partido bolchevique-leninista capaz de romper a frente popular. Mossadegh tentou negociar com os imperialistas, enquanto eles impunham sanções na produção e comércio, bem como um bloqueio naval. Agentes americanos e britânicos criaram divisões entre os apoiadores de Mossadegh e em 1953 eles conspiraram para realizar um golpe para restaurar sua propriedade e controle de petróleo iraniano e para restaurar Reza Xá Pahlavi como monarca constitucional.

Inicialmente, a tentativa de golpe fracassou, com a Frente Nacional e o (Partido Comunista) Tudeh indo às ruas e o Xá fugindo para os EUA. Os EUA e a Grã-Bretanha planejou uma segunda tentativa. Desta vez o golpe sucedeu, principalmente porque Mossadegh desmobilizou seu apoio de massas e o partido stalinista Tudeh aquietou-se complacente pela frente popular aparentemente vitoriosa que incluiu seu movimento islâmico rival pressagiando o seu papel reacionário em 1979. Perdendo o apoio no parlamento, Mossadegh, em seguida, fizeram um referendo para dissolver o parlamento e tirar do Xá seus poderes remanescentes; um golpe constitucional da esquerda que o fez perder mais apoio. Prenunciando Allende no Chile em 1973, Mossadegh não mobilizou seus apoiadores nem os chamou recorrer às armas. Tudo o que era necessário então era neutralizar Tudeh, infiltrando provocadores no partido para provocar uma “insurreição comunista”, perdendo a Mossadegh mais apoio e, finalmente, instigando os oficiais pro-Xá sob o general Zahidi para prendê-lo e assumir o controle do governo.

(4) Resumimos nossa posição sobre a revolução anti-imperialista de 1979 e da contra-revolução pela burguesia islâmica do bazaar:
“A tragédia da revolução de 1979 mostrou que o Irã estava maduro para a revolução, mas não tinha uma direção revolucionária. Os operários e camponeses pobres foram a força por trás da revolução anti-Xá, mas foram conduzidos por liberais e stalinistas que aliados com a burguesia nacional islâmica que em 1981 tinha ligado os trabalhadores mais avançados e exterminados muitos milhares dos melhores militantes. O fracasso da revolução socialista pode ser claramente atribuído ao papel do partido stalinista Tudeh, que seguiu a fatalista linha stalinista de fazer uma revolução democrática em aliança com a burguesia ‘progressista’ para expulsar os imperialistas. Os stalinistas se recusam a aprender com a sua traição da revolução na China em 1927, quando seu ‘aliado” e membro honorário da Comintern, Chiang Kai Shek, cooptou o Partido Comunista e massacrou sua liderança.

Novamente, isto serve para demonstrar que a menos que os trabalhadores liderem os camponeses pobres à revolução, a burguesia nacional reacionária usará sua liderança na frente popular anti-imperialista para cooptar os trabalhadores e oprimidos e esmagar a revolução socialista. As lições de Outubro ainda não foram aprendidas. Os stalinistas, guevaristas, trotskistas renegados e Mudjadaheen (maoístas) depositam sua confiança na democracia burguesa, em vez dos revolucionários operários e camponeses pobres. Mais uma vez, os trabalhadores e os camponeses pobres se levantam, mas falta um partido marxista revolucionário e eles são derrotados pela burguesia reacionária, servindo direta ou indiretamente os interesses de uma ou outra potência imperialista.


(5) A República Islâmica e sua ditadura de quase 40 anos e a episódica resistência a ela, chega até sua situação atual como parte do bloco Rússia-China, indo para a guerra no Oriente Médio para repartição do Iraque ao Líbano. Ele está tentando resolver sua crise semi-colonial à custa das semi colônias menores e os povo trabalhador do Oriente Médio e do Irã. Pelo menos duas vezes até agora, após a negociação Astana e de Sochi, o mundo foi girado um conto de um acordo sírio. Tudo o que foi resolvido, a partir do ponto de vista dos governantes iranianos, é que a Síria vai ter que pagar pela intervenção em apoio à Assad! E enquanto isso, a política expansionista contínua introduzindo às massas iraquianas, sírias e iemenitas os “voluntários” da temida Guarda Revolucionária Iraniana. Estes não só reprimem e roubam tudo à vista em áreas “liberadas”, mas têm seus dedos em todo tipo de empreendimentos econômicos onde quer que estejam, tudo com a benção dos teocratas.
Como resultado (como um cartoon no Facebook coloca) o Irã está bombeando capital e  mercenários para o Iraque, Síria e Iêmen em um papel de subordinado à Rússia e a China, remendando suas pontes com a Turquia e Qatar, e matando de fome seus próprios trabalhadores e camponeses. Assim, os determinantes da revolta é uma história de desenvolvimento desigual e combinado semi-colonial em face a uma crise mundial que cria todas as condições objetivas para a revolução, mas que ainda não tem a condição subjetiva vital de um partido revolucionário bolchevique-leninista. Com apenas duas alternativas, em última análise, as massas iranianas devem encontrar o caminho para leninismo para ser capaz de realizar a sua revolução, porque a única outra alternativa é a pior reação que eles presenciaram até agora.

 Como a luta está se desenvolvendo e os dois blocos imperialistas 

(6) Lemos que noventa por cento dos iranianos estão se alimentando com o equivalente a cupões de alimentos, e que estes estão programados para serem cortados. Onde 27% do Produto Interno Bruto foi dedicado ao bem-estar social e um piso básico semelhante ao Bolsa  Família brasileiro,em 2008, um estudo do Banco Mundial agora mostra como isso foi “reformado” para baixo a 3% hoje. O desemprego dos jovens é enorme, a inflação de dois dígitos tornou-se um elemento permanente e o salário mínimo do governo é da ‘renda mínima necessária’ oficial para uma família de três membros. Esta condição prevalece como resultado dos custos de guerras dos teocratas que ocorrem durante uma crise global do capitalismo e, especialmente, desde que o Irã tem apoiado a contra-revolução de Assad com tanto sangue e dinheiro. Um aumento no investimento internacional deveria resultar em melhores condições de vida, assim como a reeleição de Rouhani, que a imprensa ocidental chama de “moderado”. Mas, enquanto os ganhos nas ações foram vendidos, nada melhorou nas ruas. No mês passado, os preços da gasolina dobrou. Onde Alemanha e Espanha foram os grandes investidores após os protestos de 2009 (pela fraude nos resultados das eleições), hoje o dinheiro inunda a partir da China : 
“A China está financiando bilhões de dólares em projetos chineses no Irã, fazendo incursões profundas na economia, enquanto concorrentes europeus lutam para encontrar bancos dispostos a financiar as suas ambições, disseram autoridades do governo e indústria iranianas… o financiamento chinês, de longe o maior declarante de intenções de investimento do que qualquer outro país no Irã, está em contraste gritante com a seca dos investidores ocidentais desde que o presidente dos EUA, Donald Trump rejeitou o pacto de 2015 acordado pelas grandes potências, aumentando a ameaça de que as sanções poderiam ser re-impostas.”


Autoridades iranianas dizem que as ofertas são parte de US $ 124 bilhões da Nova Rota da Seda, iniciativa de Pequim que visa construir nova infra-estrutura – de rodovias e ferrovias a portos e usinas de energia -entre a China e Europa para pavimentar o caminho para uma expansão do comércio”

As revolta das massas é geral e não restrita às grandes cidades. A alegação do governo feita pelo britânico “Guardian” de que as manifestações tenham acabado é espúria. A revolta combina demandas econômicas e políticas e apela à expulsão dos teocratas e o grande aiatolá Khamenei são chamadas em todo o país. Zamaneh mídia relata que o segundo semestre de 2017 viu um aumento de greves trabalhistas sobre o não pagamento de salários e demissões em massa. Os protestos não se limitam aos trabalhadores industriais, que sofreram o pior de tudo, mas se espalharam para todos os setores de trabalho assalariado. Zamaneh relata as repressões do estado atingem as minorias nacionais mais duramente, assim como os muitos curdos que são mineiros.

Nossa “esquerda” oriental nos assegura quer(a) não há classe de trabalhadora lá, ou (b) que este é apenas o último de uma série de trabalhos da CIA nas massas do Oriente Médio e Norte da África. Estamos aqui para dizer-lhe que existe uma ‘situação pré-revolucionária’ na linguagem do bolchevismo. Condenamos com antecedência qualquer tentativa de impingir uma frente popular sobre as massas iranianas. Eles estão justamente cansados com os líderes que lhes trazem nada além de guerras, pobreza e repressão anti-sindical. Quando uma vez perceberem que essas condições são lançadas sobre eles por uma classe social inimiga, eles também reconhecerão e rejeitarão quaisquer esquemas “a meio caminho”, sejam as frentes populares ou as Assembléias Constituintes, e o estado desse apoio.


(7) As frações reformistas da esquerda e os falsos trotskistas, necessariamente estão expostos e derrotados pela dialética. Se os protestos se  sustentarem e crescerem em uma revolução permanente através da formação de conselhos de trabalhadores, ocupando fábricas etc., e ele realmente começar a lutar pelo poder, podemos esperar que os pró-Assad corram para a defesa do regime, como fizeram na Síria. Estes falsos esquerdistas são tão fixados em sua visão de um mundo unipolar e cegos pelo seu oriental-chauvinismo que todos eles podem ver, sempre que um levante popular nas semi-colônias contra regimes capitalistas despóticos, é ação nefasta da CIA. A falsa esquerda, (na verdade, muito parecido com a Voice of America, que sugere que clérigos linha-dura estão por trás dos protestos!), acredita que o regime pode ser reformado / melhorado. Ou para esta “esquerda”, as próprias pessoas não são capazes de revolução – então elas devem ser as ferramentas de Wall Street. Assim, quando Trump enaltece a revolta, sem nenhum custo político para si mesmo ou sua marca, a falsa esquerda  vê um exército de espiões e provocadores agindo.

O regime lançou uma ofensiva para conter os protestos. Isso pode levá-los à obscuridade, como na Síria, onde milícias armadas surgiram para defender o levante da violenta repressão. Vai ser difícil (não impossível) para a falsa esquerda apresentar os protestos no Irã como trabalho da CIA e / ou radicais islâmicos. É claro que eles vão tentar dizer que é uma “revolução colorida”, ou seja, anti-corrupção, pró-capitalista, mas muitos não vão comprar isso por muito tempo. Eles não podem defender o regime na sua forma mais usual, alegando que o regime é secular e democrático, sendo totalmente apoiados por Erdogan e Putin (embora com cautela, os planos de Putin seja em manter uma aliança com o Irã, independentemente da sua liderança)! Naturalmente as massas iranianas têm pouco tempo para estes ocidentais pequeno-burguês. Colorir esta revolução de VERMELHO!
Chamamos os trabalhadores de todo o mundo a se engajar e participar de ações de trabalhadores em solidariedade com o levante iraniano!


(8) Seguindo o vigoroso patrocinador do governo, canal de notícias RT, declarou as revoltas terem acabado e “como qualquer  violento protesto”, inaceitável. Sombra de Marikana! A falsa esquerda deu ao CNA (Congresso Nacional Africano) um passe livre e nos últimos 6 anos eles têm dado indireto, se não suporte direto, à Assad. Este é o nexo do bloco SCO / BRICS (Organização de Cooperação de Xangai e o bloco  Brasil Rússia, Índia, China, África do Sul), que reunem-se ao emergente bloco imperialista da Rússia / China, com várias semi-colônias capitalistas tentando libertar-se ou permanecerem viáveis, livres do imperialismo norte-americano /União Européia. Assim, junto com aplausos do Fórum Social Mundial / LINKS assemblage, de Chávez presenteando Assad com a espada Bolivariana ao Irã apoiando Assad contra a revolução síria, as classes capitalistas semi-coloniais (Bolivariana, sul africanos e iranianos … ) agem para parar a onda de aspiração revolucionária do proletariado procurando fazer a revolução nacional democrática permanente- isto é, socialista. A esquerda stalinista, com LINKS, os castristas e os falsos trotskistas  do PSL e WWP, optaram por apoiar um bloco imperialista sobre o outro. Cem anos depois de Outubro e eles repetem a traição social-imperialista de agosto de 1914.

O determinante comum da atual onda de protestos é a austeridade devido à crise econômica global que está sendo imposto para as semi-colônias pelas potências imperialistas. Como em toda revolta desde a erupção na Tunísia no início da “Primavera Árabe”, vemos revoltas espontâneas descoordenados  não organizados por qualquer fração burguesa ou influência externa. No Irã, a culpa é dirigida ao regime, não as sanções, etc., daí slogans contrários à intervenção na Síria e Gaza representam um internacionalismo proletário, não uma conspiração da CIA. Isto é evidente na demanda do dirgente do sindicato de professores  que pede o fim do regime (ele foi preso pelo regime durante 5 anos, então não pode ser um fantoche da CIA). Assim, o regime é improvável que seja capaz de enterrar esse levante, tomando a linha que EUA / Israel etc., são os culpados. Daí a defesa do regime pela esquerda imperialista já é exposta como falência! 


Não desprezamos a nossa visão do que precisa ser feito, a saber: 

Por solidariedade internacional dos trabalhadores com as massas iranianas!

Por ações  e greves políticas dos trabalhadores para defender os sindicatos e trabalhadores iranianos!

Abaixo a repressão à mídia social! Retirar todas as acusações e libertar todos os manifestantes presos!

Pela Revolução Permanente no Irã! Acabar com o regime! Esmagar o Estado burguês / clerical!

Formar conselhos operários e milícias, dividir o exército, sem retorno do Xá, unir a revolução com a resistência na Síria e na Palestina!

Abaixo o imperialismo incluindo tanto o bloco dos EUA /UE e do SCO da Rússia e a China! Abaixo os  lacaios burgueses / clericais!

Apoio  internacional dos trabalhadores para reabertura da revolução iraniana juntando-se com a Revolução Árabe! 

Pelo direito de autodeterminação do povo curdo! Por um Curdistão socialista!

Por um partido leninista bolchevique que não ceda a liderança para stalinistas, maoístas, bolivarianos e guevaristas! 
Para um estado dos trabalhadores e camponeses pobres! 

Para uma federação de repúblicas socialistas do Oriente Médio e Norte da África! 


Por uma  nova, revolucionária Internacional dos Trabalhadores, baseada no método e Programa de Transição de Trotsky de 1938 : “Morte agonizante do Capitalismo e as Tarefas da Quarta Internacional”! 



Comitê de Ligação dos Comunistas 8 de fevereiro de 2018 



documentos do Comitê de Ligação dos Comunistas sobre o Irã: 

http://www.cwgusa.org/?p=1800 

http://redrave.blogspot.co.nz/2015/06/mena-yemen-and-arab -revolution.html 

http://www.cwgusa.org/?p=1049 

http://redrave.blogspot.co.nz/2012/02/defend-iran-against-imperialism-and-its.html 

http: / /redrave.blogspot.co.nz/2011/11/defend-iran-against-us-eu-and-israel.html 

http://redrave.blogspot.co.nz/2010/03/us-and-chinese- imperialismo-mãos-off.html

http://redrave.blogspot.co.nz/2009/06/iran-for-revolutionary-party.html 

http://redrave.blogspot.co.nz/2015/07/for-workers-socialist-federation-of .html


RCIT: 

https://www.thecommunists.net/worldwide/africa-and-middle-east/long-live-the-popular-uprising-in-iran/


Fontes: 

https://chinadigitaltimes.net/2018/ 01 / ministério de verdade-não-reporte-Irã-protestos / 

https://en.radiozamaneh.com/articles/spike-in-labor-protests-in-iran-is-changing-the-political-milieu/ 

http: //www.worldbank.org/en/country/iran/overview 

https://www.japantimes.co.jp/news/2017/12/01/asia-pacific/chinas-investments-iran-surge-coming-western -nations-solha / 

https://www.theguardian.com/world/2017/dec/30/iran-protests-trump-tweets

https://twitter.com/SMohyeddin/status/948505462596603904 

https://financialtribune.com/articles/domestic-economy/65339/iran-2nd-biggest-fdi-destination-in-mena
Original em http://www.cwgusa.org/?p=1967
Traduzido por GTR
Post a Comment
There was an error in this gadget