Friday, August 13, 2010

Imperialismo: Tira as mãos do Irã!



Abaixo o Regime! 
Imperialistas disputam o Irã 

 O Irã é hoje o prêmio em uma grande confrontação entre os dois principais blocos imperialistas. Por um lado é os E.U.A e seus aliados, Israel, França e Grã-Bretanha. Pelo outro lado  é a China e a Rússia, juntamente com seus aliados na  SCO - Índia, Paquistão e Irã. No meio equilibrada entre os dois blocos principais estão a França, a Alemanha e cada vez mais o Japão, onde o novo  JDP está desafiando a dominação dos E.U.A olhando  para a China. 
 Vamos definir cada um destes jogadores e ver o que o que está em jogo com relação ao Irã.
Os E.U.A vêem o Irã como um Estado perigoso e não confiável que pode fazer pender a balança de poder na Ásia Central. Não só é é um importante fornecedor de petróleo e gás; situa-se na fronteira desta região rica nesses recurso, além  ser das principais rotas esses produtos, gás e petróleo, vindo, da    Ásia Central.
Os E.U.A e seus aliados da OTAN ( França e Alemanha praticamente ausentes) estão ocupando o Afeganistão e espalhando a guerra contra o "terror" no Paquistão. Para o Ocidente  ocupado no Iraque e seu principal aliado no na região, Israel. O bloco E.U. precisa controlar o Irã assegurar o controlo do petróleo e gás da Eurásia. 
O bloco da Rússia China 
O bloco China - Rússia controla a Eurásia ( assim como territórios que antes eram partes da URSS e China comunista ). Apesar de alguns progressos dos os E.U. em ganhar estes estados fora influencia da Rússia e da China, esse processo sofreu uma reversão nos últimos anos e está fazendo pouco progresso para ter acesso ao petróleo e gás. Tanto a Rússia e a China têm principais acordos com estes países para o fornecimento de energia. Entretanto, o gasoduto Nabucco ainda é um caro gasoduto.
Não só isso, a China está buscando ativamente  petróleo e campos de  gás  e / ou construindo e projetando  gasodutos  no Iraque, no Irão e no Paquistão sob o nariz de os E.U.. A China está mesmo a abrir uma mina de cobre enorme no Afeganistão, e fortalecer a sua defesa militar na fronteira com o Afeganistão. 
Recentemente, a China adicionou um longo gasoduto da  Ásia Central para a China. A China fez acordos com os países da Ásia Central  para fornecimento de  gás , enquanto os E.U. está   realizando uma longa e até agora não vitoriosa guerra no Afeganistão. Segundo o New York Times: "O ambicioso projeto percorre  1.140 milhas em três nações da Ásia Central  até a fronteira com a China, ligando o Turcomenistão à região chinesa de Xinjiang. Uma vez no interior da China,  se conecta com um gasoduto que pode levar o combustível até mais a leste. " 
 O Irã está sendo apontado como uma potencial ameaça nuclear, enquanto Israel e Índia, nenhum dos quais adeptos do acordo de nuclear não-proliferação nuclear, são tolerados,  se não,  ativamente apoiados. apenas porque o seu regime (do Irã) é hostil aos E.U. e alinhado com a Rússia e a China. O regime islâmico no Irã é o único poderoso Estado  islâmico que não está no campo dos E.U.. Ahmadinejad é claramente alinhado com a Rússia e a China economicamente e politicamente. 
 Esse alinhamento estende-se aos regimes bolivarianos ALBA na América América liderada por Chávez. Chávez vê o Irã como um aliado-chave na luta contra o imperialismo americano. que é cada vez mais vinculados a China e a Rússia. 
 Abaixo com o regime islâmico

 Enquanto Israel está atacando o regime de Ahmadinejad e está ansioso para bombardear instalações nucleares do Irã,  os E.U.A sob o governo Obama preferiu discutir o fechamento do programa nuclear com a ameaça de sanções econômicas mais graves.
Dessa forma os E.U. apoiaram a oposição na figura de   Moussavi  para alterar o regime islâmico através de eleições. As grandes manifestações ocorreram julho, em resposta à provável fraudes nas eleições e  eram lideradas por Moussavi e os seus apoiadores. Algumas organizações de trabalhadores  se envolveram também. Uma minoria de trabalhadores e estudantes começaram a  contestar não só o regime de Ahmadinejad, mas o regime islâmico estabelecido em 1979 em seu conjunto. 
A esquerda no Irã apoiou os protestos pela democracia ,e outros foram ainda  mais longe, e apelaram  aos trabalhadores para lutar pelo socialismo. Com a repressão dos protestos esta onda de lutas recuou.

 O recente recrudescimento da luta em dezembro teve uma mudança significativa 
para a esquerda. Moussavi não era mais o líder. As principais exigências  se deslocaram  das demandas democráticas  para reivindicações socialistas. Assim não só temos uma situação onde os dois blocos imperialistas estão se preparando  no Irã para um confronto com a intenção de controlar a Eurásia. A classe operária está mostrando sinais de que se erguem contra ambas as alas da burguesia, pro-China e pró-EUA. O problema é que a esquerda reformista dá o apoio ao regime de Ahmadinejad, como parte do bloco bolivariano ligada à China e oferecendo aos trabalhadores uma esperança ilusória de que a China pode vir ao salvamento da economia iraniana e satisfazer as necessidades da classe trabalhadora.

As ilusões bolivarianas quanto á China

Agora que Obama revelou-se como apenas um bombardeiro da classe dominante atuando no Afeganistão, espalhando a guerra até Paquistão e abrangendo o Iêmen e África, quem  mais pode oferecer alguma esperança aos bolivarianos que o imperialismo pode ser reformado? Chávez e Castro estão buscando  a China para vir para o resgate. China oferece uma solução, porque é uma potência em ascensão com o peso econômico para substituir o imperialismo ianque odiado. O que é mais como um  ex-estado operário  que mantém uma forte centralização do Partido Comunista, a China pode quebrar todas as regras e se tornar o modelo para o socialismo do século 21.  Tudo que é preciso é que os trabalhadores reivindiquem-se e empurrem regime chinês para a esquerda. Esta é a posição de James Petras,do defensor Chávez, que sustenta que a China se tornará a imperialista a menos que os trabalhadores pressionem o PCC para a esquerda.

 Podemos perceber por que os bolivarianos e  castristas  procuram a solução na China. A China restaurou o capitalismo, mas com  características 'socialista'.Isto  inclui  a vontade de formar alianças políticas e econômicas com classes dominantes semi-coloniais que se fazem passar por populistas. Assim esquerda populista, os bolivarianos , Chávez e Morales, os centristas Bolivarianos Lula, e o mais à  direita Kirchner, todos se benefícia a partir de estratégicas alianças com a China. Não é preciso muita imaginação para ver como o Irã também podem se beneficiar de sua aliança estratégica com a China e a Rússia.

Os sonhos da ALBA de uma V Internacional 

 Isto é de onde a esquerda reformista que apóia Chávez e sua  proposta da V Internacionais vêm para conter as massas por detrás dos regimes populistas. Chávez quer reter a China-Rússia-Cuba e o bloco bolivariano  intacto, incluindo o regime islâmico do Irã. Para Chávez, isso é possível. Para ele o regime islâmico é ditatorial   apenas porque ele está sob ataque do imperialismo dos E.U.A  e devido ao boicote econômico que sofreu. As pessoas pagam o preço do bloqueio econômico, com redução nos padrões de vida, e seus protestos se defrontam  com a polícia e para-militares. Chávez argumenta que o regime pode adotar o caminho do CCP(Partido Comunista Chinês), que enquanto usar a força para suprimir as greves e motins, está tentando atender às demandas populares com despesas de infra-estrutura. O caminho da China da estrada para  o socialismo, então, representa um modelo do que é possível para tanto as semi-colônias, como os países da ALBA e do Irã, Paquistão, etc, e para  Estados "socialista" como Cuba e Coréia do Norte, para se encontrar o ponto de socialismo do século 21.
 
 Assim, a esquerda do movimento bolivariano no Irã, os quais são entusiastas apoiadores de Chávez, na Venezuela estão pedindo para pressionar o regime Ahmadinejad  para a esquerda com uma "Assembléia Constituinte" para unir todos as classes progressivas no Irã por trás de uma frente democrática e popular que seria anti E.U,  mas pró-China. Os esquerda bolivarianos  servem para vincular os trabalhadores a frentes democráticas e populares dos regimes populistas nacionalistas. assim que esses  regimes se movem para a direita, como o de Lula no Brasil, a esquerda Bolivariana como Chávez explicam que  isso é por causa das exigências do imperialismo Yankee. A expansão econômica da China permite que o capitalismo pode ser reformado
e permitirá que o seu regime  e de todos os dos seus parceiros estratégicos, incluindo o Irão,  moverem-se para a esquerda.
 
Os perigos da "estrada chinesa para o socialismo"

 A China já não é um estado operário-degenerado. 
É agora um Estado capitalista. Mas não há nada de progressista nisso. A China tem sido capaz de utilizar o seu legado como um Estado-operário para escapar de ser preso na armadilha de ser uma semi-colônia dos E.U. ou do Japão. Agora está a embarcar em sua própria expansão  imperialista  em uma aliança com a Rússia. Isso significa que o sonho bolivariano  de um capitalismo mais democrático, progressista na China está  condenado como um sonho irreal. A  China não é mais progressista do que qualquer outra nação imperialista.  Super-explora os seus próprios milhões de trabalhadores, assim  como aqueles nas  semi-colônias, onde investe em minas, petróleo e gás e oferece acordos para "desenvolver" as economias desses países. 

Assim, no Irã, não há nenhuma maneira de que os trabalhadores possam se beneficiar do regime islâmico ter  aliança com a China e a Rússia. Eles não vão ver mais riquezas permanecendo no Irã ou  sendo distribuído para as massas na forma de empregos, salários melhores ou bem-estar social. Pelo contrário, enquanto eles vivem na esperança que uma ou outra potência imperialista irá resgatá-los em nome de democracia ou socialismo,  eles sofrerão o mesmo destino dos trabalhadores ao longo do século XX que estão a morrer de super-exploração, ou nas guerras que serão travadas pelo controle das matérias-primas do Irã e pela força de trabalho.
 
Programa de Transição para o Irã

 O Irã está em jogo por ambos os blocos imperialistas. As apostas são tão altas que a guerra é provável. Isto pode começar como uma guerra por  entre os dois blocos se Israel ataca o Irã. Mas tal fto não deixaria de chamar a Rússia e China para defender seus interesses, não apenas no Irã, mas na Ásia Central como um todo. Então, qual  deve ser a atitude de revolucionários com uma tal  ameaça de  guerra?

 Um programa de transição para o Irã coloca exigências democráticas para defender o Irã de todas as intervenções imperialistas, por meio de lutas classe independentes da classe operária.  Os direitos básicos democráticos  como a liberdade de expressão e associação não pode estar subordinados a qualquer bloco com o regime contra imperialismo. O Parlamento é a ditadura democrática da burguesia. Somente a classe operária pode defender  o Irã tanto do imperialismo americano como do  imperialismo chinês. E só pode fazer isso por meio de luta armada para tomar o poder e destruir o Estado capitalista. Isso significa que temos que mobilizar os trabalhadores,de forma independente do estado, para a  auto-defesa e para conquistar as bases das forças armadas.
 
Pelos conselhos operários e milícias armadas e apoiadas pela base dos conselhos militares.

 Em relação ao bloco E.U. somos a favor da defesa do Irã, e pela derrota do bloco E.U. Na medida em que a China ou a Rússia intervirem estamos diretamente pela sua derrota também. Nós não temos nenhuma objeção ao Irã usando qualquer que seja  armas militares de  material fornecido pela Rússia ou China. Mas nós deixar claro que esses países oferecem ajuda militar só avançar seus interesses imperialistas no Irã. ».
  
No entanto nós não damos qualquer apoio político ao regime.  A burguesia nacional não é capaz de conquistar independência dos imperialismos estadunidense ou chinês.  A burguesia iraniana teme que a classe operária exproprie suas propriedades então manobra entre os diferentes imperialismos com  o objetivo de negociar com um ou outro.
 Fazemos um chamado às milícias operárias  a romper com exército e tomar controle das armas no intuito de transformar a luta anti-imperialista em uma revolução socialista!
 Por enquanto o bloco EUA está bloqueando promessas de negócios melhores entre Irã e China. O  regime iraniano ganha apoio popular em seu confronto com o bloco EUA. Isto será intensificado em qualquer guerra.  Mas temos que lutar contra todas as tentativas  de manipular apoio popular declarando que os Estados Unidos seja "fascista" enquanto a China é "socialista" ou um "poder progressivo capitalista". Eles são ambos reacionários imperialistas. Mesmo a curto prazo não haverá nada "progressivo" para os operários e camponeses do Irã dos blocos com China e Rússia. Somente o socialismo baseado num estado operário e socialista pode alcançar as necessidades dos trabalhadores e camponeses.
 Tirem as mãos do Irã! É necessário exigir a independência do Irã de ambos blocos imperilsitas e em especial estados imperialistas que tenham interesses ou  projetos no Irã.  Mas temos consciência que tal independência não pode ser concretizada com qualquer setor da burguesia iraniana. Somente  o poder da classe operária por meio da revolução socialista pode garantir a  real independência.
 Nós somos pela expropriação das propriedades dos imperialistas sob controle dos operários. Isto inclui investimentos chineses em petróleo  e campos de gás e gasodutos. Nacionalizar as terras, distribuir as terras aos camponeses; nacionalizar os bancos e garantir o desenvolvimento da agricultura.
 E como nenhum setor da burguesia nacional  pode ser confiável pode ser a liderar e vencer qualquer luta anti-imperialista, nós chamamos  pelo fim do regime islâmico de 1979 que que chegou ao poder com o apoio dos trabalhadores e depois os massacrou somente para continuar os negócios com o imperialismo!
 Por um governo operário e camponês! Pela expropriação das fábricas das multinacionais! Pela nacionalização sob controle dos trabalahdores de todas as propiedades capitalistas e por um plano nacional para organizar a produção para as necessidades e não para o lucro!
  
Bibliografia:
Rozoff on NATOs role in the military encirclement of Iran
US Missile System read against Iran
US NATO Missile deployments against Russia
Iran plans an energy breakout

Post a Comment
There was an error in this gadget